CNBB divulga apóio a filme Francês que conta História do assassinato dos monges do mosteiro de Tibhrine, na Argélia 

O filme “Homens e Deuses”, do diretor Xavier Beauvois, vencedor do Grand Prix,  os prêmios do júri ecumênico e de educação nacional do festival de Cannes de 2010, e escolhido da França para disputar um lugar no Oscar de melhor filme estrangeiro em 2011, reconta o episódio real do assassinato de monges ocorrido num mosteiro trapista na Argélia.

O filme estréia em São Paulo dia 15 de Abril.

A seguir divulgamos a carta de apóio da CNBB ao filme, afirmando oferecer condições de diálogo e de propostas para viver os valores humanos e cristãos em tempos atuais.

CONFERÊNCIA NACIONAL DOS BISPOS DO BRASIL

Comissão Episcopal Pastoral para a Cultura, Educação e Comunicação Social

Comunicação Social

Brasília, 25 de março de 2011.

SCS – Nº 0280/11 

Durante o Conselho Permanente da CNBB – Conferência Nacional dos bispos no Brasil, no dia 22 de março de 2011, bispos, sacerdotes, religiosas, leigos e seminaristas da Arquidiocese de Brasília, assistiram ao filme “Homens e Deuses”, em Brasília. Todos ficaram sensibilizados pela forma artística e real como a história dos monges trapistas foi apresentada num espaço de duas horas de duração do filme.

Baseado na história real dos monges trapistas que foram seqüestrados e assassinados em Thibirine, na Argélia, em 1996, como parte das atrocidades que aconteciam no país durante o confronto entre governo e grupos extremistas. Os Monges tinham um belo diálogo com os muçulmanos.

Sem dúvida, é um dos maiores sucessos dos cinemas europeus no ano 2010 e contou com mais de 03 milhões de expectadores, só na França. Temos certeza que aqui no Brasil, este filme fará sucesso, porque oferece condições de diálogo, de propostas para viver os valores humanos e cristãos, tendo presente a vida simples dos monges, no seu cotidiano e o testemunho de dar a vida pelo povo do vilarejo.

A Comissão Episcopal Pastoral para a Cultura Educação e Comunicação Social apóia todo o esforço em relação a este filme e solicita que seja divulgado de forma ampla e contínua, sobretudo para os jovens brasileiros, que se encontram desmotivados no que se refere à vida e aos valores humanos e cristãos.

Com a nossa benção e votos de sucesso,

Dom Orani João Tempesta, Ocist.

Arcebispo de São Sebastião do Rio de Janeiro

Presidente da Comissão Episcopal Pastoral para a Cultura, Educação e Comunicação Social

Anúncios