No aniversário de 60 anos de ordenação sacerdotal do Papa Bento XVI, o abade do mosteiro paulistano recorda a hospedagem oferecida ao sumo pontífice

nos corredores do mosteiro

“A presença do Papa em nosso mosteiro foi verdadeiramente um dom extraordinário para toda a comunidade monástica.

São muitos os cristãos que fazem peregrinações para ver o Papa em Roma, e quando ele vem até nós, nos esforçamos para estarmos mais próximos dele. Preparamos-nos e o esperamos para vê-lo nos lugares em que irá passar. Sabemos que entre bilhões de católicos é impossível que todos estejam juntos a ele pessoalmente.

Tal fervor aconteceu porque o Papa é um sinal de unidade da Igreja que se manifesta na universalidade da comunhão dos fiéis. Celebramos isso cotidianamente na Eucaristia, quando invocamos o Espírito Santo para que faça de nós um só corpo e um só espírito. Não é apenas um desejo ou intenção, mas na fé cremos na comunhão do corpo místico de Cristo, da qual fazemos parte. Concretamente, isso se dá quando confirmamos nossa fé na celebração eucarística em comunhão com o Papa, os bispos e todo o povo de Deus. Se na Eucaristia esta união com o Papa é espiritual, os monges puderam viver esta experiência real e viva durante três dias em que Sua Santidade, o Papa Bento XVI conviveu no mosteiro de São Bento, cumprimentando a cada um, tomando as refeições e rezando na capela do Santíssimo, gozando de seu convívio.

O Papa ressaltou a importância do testemunho da oração que os religiosos e religiosas exercem na vida da Igreja, lembrando especialmente a tradição monástica. Exortou, portanto, aos monges para que sejam fiéis a vida de oração em São Paulo, fazendo do mosteiro um Oasis de espiritualidade no coração desta grande cidade.”

Papa reza na capela do Santíssimo Sacramento da basílica do mosteiro

Dom Matthias Tolentino Braga, OSB

 Abade do Mosteiro de São Bento de São Paulo