Beneditinas dos EUA lançam movimento monástico leigo

As Irmãs Beneditinas de Erie, na Pensilvânia, EUA, lançaram o que descreveram como um movimento monástico leigo para quem busca Deus e uma vida com sentido, chamando-o de “nosso presente para a próxima geração”.

A reportagem é de Cheryl Wittenauer, National Catholic Reporter. Tradução de Moisés Sbardelotto. Revisão IHU On-Line.

Os “Mosteiros do Coração: Um Novo Movimento para um Novo Mundo” oferecem uma oportunidade para que qualquer pessoa – independentemente da tradição de fé, ou mesmo em sua ausência – viva a espiritualidade e os valores beneditinos com comunidades online ou grupos face a face de famílias, amigos, vizinhos ou fiéis conhecidos, disseram.

Os membros criam seu próprio “mosteiro” ao se apoiarem mutuamente na formação de suas vidas espirituais em torno dos valores beneditinos da comunidade, da oração, do trabalho com sentido, da paz e do cuidado da criação. Eles podem se reunir em torno de uma mesa ou em um “mosteiro sem paredes” online para a oração, discussão e reflexão.

Os Mosteiros do Coração não são uma comunidade religiosa com votos, ou uma ordem religiosa canônica, e não há nenhuma intenção de torná-lo uma comunidade ou ordem, disse a coordenadora Ir. Mary Lou Kownacki, embora os participantes sejam convidados a prometer viver valores beneditinos como um coração à escuta. Eles, no entanto, oferecem uma nova forma de vida religiosa, para viver o carisma beneditino da comunidade, da oração e do trabalho, disse ela.

O projeto, que coincide com o lançamento do novo livro da irmã beneditina de Erie Joan Chittister, The Monastery of the Heart: An Invitation to a Meaningful Life [O Mosteiro do Coração: Um convite a uma vida com sentido] (BlueBridge), foi planejado e organizado por 23 irmãs da sua comunidade ao longo do último ano e meio. O movimento e o livro são uma resposta a uma fome de espiritualidade beneditina e aos pedidos para desenvolver uma nova forma para “uma nova face da sociedade”, disse Kownacki.

“Há uma grande sede de espiritualidade no país e ao mundo que nem sempre é saciada nas religiões institucionais”, disse Kownacki. “Acreditamos que os valores beneditinos têm algo a contribuir para os que buscam. Essa é uma tentativa para atender a essas necessidades espirituais”.

O site dos Mosteiros do Coração, monasteriesoftheheart.org, inclui um fórum online sobre o livro de Chittister, entrevistas em vídeo e um blog da equipe. Um recurso para a formação de comunidades online está em construção.

Vida monástica leiga

Os beneditinos de todo o mundo se comprometem a um modo de vida enunciado há 15 séculos na Regra de São Bento, um guia para a vida monástica em comunidade. A espiritualidade que emanou dessa regra fornece um antigo modelo para viver uma vida normal extraordinariamente bem, de acordo com os autores do movimento leigo.

Um aperitivo do que está envolvido na criação de um “mosteiro do coração” será oferecido por Chittister em um retiro online de um mês (9 maio a 3 junho), que irá abordar os elementos-chave da espiritualidade beneditina, e inclui trechos do seu novo livro, palestras em áudio, teleconferências ao vivo, práticas simples e oportunidades de partilha online sobre como incorporar a espiritualidade beneditina em sua própria vida.

O retiro online é um dos 65 programas facilitados nos últimos cinco anos pelo Spirituality & Practice, um site de recursos multirreligiosos e interespirituais para jornadas espirituais (spiritualityandpractice.com). “É muito interessante para mim como as pessoas usam profundamente o material”, disse a cofundadora e diretora Mary Ann Brussat. Através de círculos de práticas online, as pessoas se sentem apoiadas em uma comunidade de espíritos afins de todo o mundo, afirmou. Classes e retiros como o de Chittister atraem não só católicos, mas também protestantes, judeus, sufis e a camada em crescimento demográfico que se descreve como espiritual mas não religiosa.

Brussat disse que as pessoas estão procurando por comunidades íntimas para compartilhar suas vidas espirituais, que elas nem sempre podem encontrar dentro das paredes da sua Igreja. E idade, e deficiência e distância físicas podem tornar isso impossível.

“As comunidades online, com as orientações certas, podem ser tão válidas quanto se reunir em alguma sala de estar”, disse ela.

Christine Valters Paintner, uma autora e oblata beneditina de Seattle que dirige um mosteiro virtual, Abbey of the Arts (abbeyofthearts.com), teve contato com essa fome de espiritualidade quando suas duas primeiras aulas online sobre prática contemplativa e expressão criativa foram preenchidas imediatamente. Ela disse que as pessoas não precisam viver em um mosteiro para viver um caminho contemplativo.

Leah Rampy, diretora-executiva do Instituto Shalem para a Formação Espiritual, uma organização ecumênica, disse que há uma necessidade de que as organizações ajudem as pessoas a se conectarem espiritualmente, e “a tecnologia está nos convidando de uma forma que nunca imaginamos ser possível”.

Enquanto a interação face a face pode oferecer uma profunda satisfação, “se ficarmos só com isso, vamos deixar de fora um grupo de pessoas para quem isso não é possível”, disse. “Será maravilhoso ver como o mosteiro online evolui, e muito bom para aprender”.

Liz Ellmann, diretora-executiva da Spiritual Directors International, concordou, dizendo que vivemos hoje um “tempo de alta transição para espiritualidade, de um estilo ‘tijolo e argamassa’ para uma outra forma de nos conhecermos uns aos outros”.

O jesuíta e estudioso da espiritualidade inaciana Pe. Paul Coutinho disse que não apenas os cristãos, mas também pessoas de todas as tradições religiosas estão famintas por uma espiritualidade que os ajude a encontrar sentido em suas vidas.

“A maioria dos que desistem da sua religião hoje afirmam ter uma fé muito forte, mas as suas necessidades espirituais não estão sendo atendidas”, disse. “A ênfase na religião hoje parece ser mais sobre a doutrina e rituais rígidos do que na experiência e em uma relação mais profunda com Deus”.