Igreja utiliza mídia para levar o nome de Cristo a toda criatura

Cristo, comunicador

A mídia possui na atualidade uma força descomunal. Tal força tem invadido nossos lares apresentando e ditando modos de vida, que em sua maioria vai contra o modo de vida proposto por Nosso Senhor Jesus Cristo.

A mídia deve ser entendida como a possibilidade de uma forma de vida. E é. Nosso mundo é midiático. As pessoas hoje estão muito mais expostas às mídias que no passado. Vivem uma bios-informação. A mídia contribui na transformação do espectador em cidadão ou não. Não devemos apenas ver, mas devemos, sobretudo, ser protagonistas ou autores da história. Neste plano o tempo e o critério nos leva a uma verdadeira era do conhecimento.

Neste contexto, temos a Igreja Católica como grande exemplo de organização que se utiliza da mídia para promover o bem e a justiça. Seu grande modelo é o próprio Jesus Cristo, que como grande comunicador transformou a mentalidade de muitos pelo poder de suas palavras.

Assim, o católico, qualquer que seja a categoria a qual pertença, tem a missão de levar a Palavra do Cristo “a todas as criaturas”.

Hoje, a Igreja tenta acompanhar a transformação dos tempos. Com o concílio Vaticano II houve uma maior abertura da Igreja em todos os setores. Os meios de comunicação também foram vistos com bons olhos por parte de alguns clérigos e Papas, de modo que, nos últimos anos houve um grande crescimento na utilização das novas mídias pela Igreja.

Entendendo a importância dos meios de comunicação, a Igreja (não apenas o clero, mas todos os batizados) utiliza tais meios para proclamar o Cristo ressuscitado.

TVs, jornais, revistas, sites e blogs já fazem parte do cotidiano de muitos eclesiásticos, que os tem como um campo propício à evangelização de seus fiéis e “arrebanhar algumas ovelhas perdidas”. Mas, vale lembrar também que a Igreja se torna mais uma voz no meio de tantas outras, que precisa transformar esta era da informação na era do conhecimento da qual tanta sede temos.

Rádio:

As rádios são ainda, as mídias mais utilizadas. Acreditava-se que com o advento da televisão, o rádio desapareceria. Muitos estavam enganados.

A RCR (Rede Católica de Rádio) é composta por cerca de 120 rádios em todo o Brasil. Há ainda as que não são credenciadas à RCR. Além desta realidade, exstem as famosas rádios comunitárias. Sabe-se que o número de rádios comunitárias é bem superior às oficiais.

Televisão:

São meios que podem favorecer uma interação mais profunda da vida comunitária e promover a justiça e a paz. A CNBB reconhece o trabalho que vem sendo feito pelas TVs católicas, pela audiência que vem aumentando significativamente e o cuidado pelos conteúdos e a boa programação.

No Brasil há várias TVs católicas que vem ganhando destaque pela programação variada, sem perder o foco da evangelização.

Eis a lista de algumas TVs católicas brasileiras:

  • TV 3º Milênio (Maringá-PR);
  • TV Aparecida (Aparecida-SP);
  • TV Canção Nova (Cachoeira Paulista-SP);
  • TV Diocese (Rio Branco-AC);
  • TV Fraternidade – RS;
  • TV Horizonte (Belo Horizonte-MG);
  • TV Imaculada Conceição (Campo Grande-MS);
  • TV Nazaré (Belém-PA);
  • TV Século 21 (Valinhos-SP);
  • Rede Vida (São José do Rio Preto-SP);
  • UCG TV (Goiânia-GO);
  • TV PUC (Campinas-SP);
  • TV Pato Branco;
  • TV Lumem PUC – (Curitiba -PR);
  • TV Arautos;
  • TV Imaculada;
  • TV PUC (São Paulo – SP);
  • TV Rio Claro;
  • TV PUC – RIO (Rio de Janeiro).

Algumas TVs Católicas Internacionais:

  • Centro de Televisão Vaticano;
  • EWTN – A maior rede de TV católica do mundo (em inglês, espanhol e alemão) ;
  • KTO (França);
  • TV Gloria Internacional;
  • Monte María (México);
  • Nueva Imagem (Argentina);
  • Padre Pio TV (Itália);
  • Catholic TV (EUA);
  • TV Universidad Católica (Venezuela);
  • TV Canção Nova Internacional (Portugal e Itália).

Internet:

Há uma infinidade de sites, blogs e micro-blogs católicos, sem falar das divesas redes sociais, que viraram “febre” em todo o mundo. É comum assistir noticiários e participar de grupos de discussão on-line.

No Brasil se destacam os sites das dioceses, paróquias, de padres e religiosos, ligados à PASCOM – Pastoral da Comunicação. Além disso, os padres tem criado blogs, postando suas homilías e pregações, alcançando um maior número de pessoas. Tal iniciativa foi incentivada pelo Papa Bento XVI no 44º Dia Mundial das Comunicações Sociais, comemorado em 2010.

Jornais:

Alguns afirmam que os jornais surgiram como panfletos impressos na Alemanha, em fins do Século XV. É a mais famosa das mídias.

O Vaticano criou seu jornal, o L’Osservatore Romano, na segunda metade do Século XIX. O períodico Faz a cobertura de todas as atividades públicas do Papa, além de  publicar editoriais escritos por membros importantes do clero e da Igreja e imprimir documentos oficiais.

No Brasil há diversos jornais católicos, a maioria editado pelas Dioceses. Algumas paróquias também possuem seus jornais, informando os acontecimentos recentes, comentários gerais, além, é claro, de formar o povo de Deus na doutrina católica.

Outras mídias:

Cinema – Nos últimos anos surgiram diversos festivais de cinema católico em vários países. Junto a estes e com maior força foram sendo organizados os ciclos de cinema católico. Dentre os festivais de cinema católico o mais famoso é o Mirabile Dictu (em latim “maravilhoso de dizer”). O festival surgiu para rivalizar aos grandes festivais de Cannes e Veneza e acontece em Roma com o patrocínio do Conselho Pontifício para a Cultura.

No Brasil ganha destaque o  Prêmio Margarida de Prata para o Cinema, criado em 1967 pela extinta Central Católica de Cinema (CNN), da CNBB. É considerado o primeiro prêmio destinado a reconhecer a importância dos profissionais de cinema. Nos mais de 40 anos de sua instituição, se firmou junto à classe cinematográfica brasileira como um dos mais importantes do país.

Gravadora – No Brasil ganham destaque Paulinas-COMEP (Comunicação Musical Editora Paulinas), lançando os grandes nomes da música católica como Pe Zezinho e Pe Joãozinho, a CODIMUC (Música católica de qualidade) com as bandas de jovens católicos e o DAVI (departamento de áudio visual) da comunidade Canção Nova.

Editoras – Há várias editoras católicas no Brasil. Ganham destaque, grandes editoras como Loyola, Vozes, Paulus, Paulinas e Santuário. As editoras católicas estão presentes em todo o território nacional. Algumas delas são mantidas por congregações religiosas ou movimentos da Igreja. Além de livros, as editoras católicas publicam revistas e jornais, se utilizando também dos novas ferramentas como a internet.

Ir. João Baptista Barbosa Neto, OSB

Assista o vídeo sobre o tema: