A Vida no Espírito: Espiritualidade Cristã

 

Sabemos que o ser humano é um ser espiritual, e é dessa fonte que nascem suas inspirações mais profundas, bem como sua essência, integralidade e totalidade. Este “espiritual” é sentido através da experiência que fazemos, é algo que nos atravessa e vai em busca de um “desconhecido”. No sentido humano esta experiência é existencial, itinerária, como se fosse uma viagem; implica em penetrar, passar através do mistério, experimentá-lo, vivenciá-lo. Nunca porém devemos ter a pretensão de fazer uma experiência “total” de Deus, pois isso é impossível! A experiência de Deus faz-se como o beber da água de um rio; nunca bebemos o rio todo, mas sim bebemos de sua água, pois como diz São João da Cruz: “a experiência de Deus é como uma porta que se entreabre e logo se fecha”, deixando sair apenas alguns raios de sua grande luminosidade. Deus nunca se esgota na experiência que Dele fazemos, pelo contrário, ainda há muito mais, além daquilo que experimentamos; tem sempre um “mais” em Deus, e Ele sempre nos surpreende com algo novo, que nos era desconhecido. Esta experiência pode ser feita de diversas formas como: uma descoberta; uma novidade, vivenciada na rotina, nas pequenas coisas de cada dia, nos nossos hábitos, etc.

O grande modelo de uma vida baseada na experiência com Deus é Jesus Cristo, que embora sendo Deus era também Homem como nós; Jesus tudo fazia e dizia no Espírito e por isso sempre estava em comunhão com o Pai.

 Toda experiência espiritual nos conduz a Fé, que não é apenas um aprender coisas, mas é um engajar-se no plano de Deus. Fé é consciência de que existimos em relação com Deus, a experiência de Fé deve transformar-se em testemunho, autenticidade de vida; quando a vida de um cristão não tem autenticidade não há valor algum, é vazia, fria, mascarada, uma “prósopo” como diriam os gregos.

 A experiência Cristã, elabora-se a partir de uma espiritualidade cristã, sendo assim, é antes de tudo um Dom do Espírito Santo, pois é Ele quem conduz a vida espiritual de cada cristão. Ele cava dentro de nós uma sede de Deus e busca saciar essa sede nos fazendo mergulhar no profundo mistério da Trindade; com isso podemos dizer com toda certeza: Deus Trindade, fonte de toda espiritualidade!

 Muitas vezes corremos o risco de pensar que a espiritualidade resume-se apenas em: oração, meditação, etc; Não! Ela é muito mais, isso são apenas meios usados para alimentar ainda mais a espiritualidade. A espiritualidade Cristã é integradora, ela une, abraça, faz comunhão de amor; assim, mesmo o corpo, distinto da alma é chamado a integrar-se com ela; corpo e alma sempre unidos, em busca Daquele que lhe sacia: Deus. 

Corre-se grande perigo quando se tenta separar corpo e alma, pois a espiritualidade é sempre disposição de todo meu ser; por isso deve evitar-se toda e qualquer forma de reducionismo, seja a que separa corpo e alma, seja qualquer forma de espiritualidade ideologizada. Nos tempos atuais faz-se necessário recuperar uma visão unitária do ser humano; ou seja, espírito e matéria não estão apenas justapostos, mas são uma realidade una que Deus ao criar viu que “era bom”; tudo que uma pessoa soma em si é imagem de Deus, por meio do corpo o mistério de Deus se torna visível e pode ser sentido e vivido. “O corpo exprime a pessoa e contribui a revelar Deus e seu amor criador, assim sendo ele é a via concreta através da qual a Graça e a Salvação chegar ao ser humano” (João Paulo II). Corpo e alma unidos inteiros na Graça; assim, o corpo torna-se comunicação, ele se torna transbordamento, por isso devemos cuidar de nossos corpos, pois como nos exorta São Paulo, são Templos vivos do Espírito Santo e por ele devemos glorificar a Deus: “Glorificai a Deus em vossos corpos.” (I Cor. 6,20); “Peço pela misericórdia de Deus, que ofereçais vossos corpos como hóstia viva, santa e agradável a Deus. Este seja vosso culto espiritual” (Rom. 12,1).

A espiritualidade perpassa por toda a Sagrada Escritura, nos mostrando assim uma grande tradição mística que começa no Antigo Testamento com a manifestação de Deus e tem sua grande revelação em Jesus Cristo.

 No Antigo Testamento a espiritualidade era fundada na experiência espiritual de Deus; sua transcendência e a consciência do ser humano criado a imagem e semelhança de Deus; já no Novo Testamento vemos uma espiritualidade fundamentada na relação de Jesus com o Pai, relação essa que todos os cristãos poderão experimentar em suas vidas. Jesus nos revela o rosto amoroso de Deus, um Deus que é misericórdia e compaixão, que é Amor, como nos diz São João em sua primeira carta, e que além de tudo isso, está presente no meio de nós.

Assim sendo, vemos que a espiritualidade é algo que se faz presente na vida do ser humano desde suas origens, está enraizada no seu ser, e por isso deve ser cada vez mais cultivada para que produza bons frutos na vida de cada um de nós.

Ir. Lourenço Palata Viola, OSB

Anúncios