Alas secretas do Mosteiro de São Bento serão abertas ao público pela primeira vez a partir do dia 25 de janeiro, para uma exposição de arte contemporânea, com obras de Carlos Eduardo Uchôa, José Spaniol e Marco Giannotti.

Segundo a Folha de S. Paulo, serão abertas salas do colégio e da faculdade, o parlatório do mosteiro e a capela do colégio, que está fechada há tanto tempo que os monges nem lembram quando foi usada pela última vez. De acordo com o jornal, o claustro, espaço mais restrito do mosteiro, permanecerá fechado, mas será possível ver, de uma das salas da exposição, o jardim interno, um dos locais usados pelos monges para meditar.

Redenção, uma instalação de Uchôa, artista que virou monge e é reitor do colégio e da faculdade São Bento, vai ocupar a capela do colégio. Entre pinturas de Abrahão e de São Marcos, serão projetadas imagens gravadas com meninos da cracolândia.

O Mosteiro de São Bento, que fica no largo de mesmo nome, no centro de São Paulo, está no local desde 1600. Nos anos 1960, o lugar teve um cineclube que ficou famoso por exibir filmes do diretor sueco Ingmar Bergman. Antes, ainda contou com um grupo de teatro que revelou o ator Sérgio Cardoso.

Anúncios